Por que as escolas brasileiras estão implementando o ensino híbrido

fevereiro 1, 2018 | by Katrina Bushko

Nos últimos anos no Instituto, ouvimos histórias sobre professores brasileiros que experimentaram com o ensino híbrido. Isso motivou o nosso interesse em aprender mais sobre a adoção de ensino híbrido no Brasil, e em novembro com o WISE Initiative, publicamos nosso primeiro relatório sobre o ensino híbrido fora dos Estados Unidos, Blended Beyond Borders: A scan of blended learning obstacles and opportunities in Brazil, Malaysia, & South Africa (inglês). Este relatório retrata os esforços de ensino híbrido (ou lacunas de oportunidade) em cada país, bem como dar recomendações de formuladores de políticas e educadores sobre como todos eles podem ajudar os esforços em seu contexto. Nossas parcerias com a Fundação Lemann, Instituto Península, Porvir, Nova Escola, e Todos Pela Educação foram fundamentais na coleta de dados e compreensão do sistema educacional brasileiro.

Depois de responder a uma série de perguntas sobre quais tipos de tecnologia um professor ou escola usa, os entrevistados nos disseram por que eles começaram a usar a tecnologia. Oferecendo mais opções para os alunos (73,64% combinados), facilitando a aprendizagem mais personalizada (71,82%), facilitando a aprendizagem baseada em competências (67,27%), e melhorando os resultados acadêmicos dos alunos (61,82%) foram os principais motivos para usar a tecnologia na sala de aula.

why_brazilian_schools_blended_learning

Em abril e maio de 2017, tive o privilégio de visitar 12 escolas em todo o Brasil, além de conversar com três educadores adicionais com quem eu não consegui me encontrar pessoalmente. Sete dessas escolas estão praticando o ensino híbrido. Embora cada escola tivesse sua própria razão para implementar o ensino híbrido, a maioria focou em uma das quatro principais respostas destacadas nos resultados do questionário.

O ensino híbrido dá mais opções para os alunos

Colégio Soter, uma escola particular na zona leste de São Paulo, iniciou sua jornada de ensino híbrido com um pequeno programa piloto em 2016. O diretor da escola queria dar mais autonomia  e variedade aos alunos em sua aprendizagem. Um modelo de Rotação por Estações, ela percebeu, seria perfeito para isso. Por exemplo, os alunos podem aprender sobre o ciclo de vida de insetos assistindo um vídeo no YouTube, jogando um jogo educacional em um tablet, lendo uma história sobre a vida de uma borboleta, ou criando um diagrama usando materiais de criação. Isso dá aos alunos mais oportunidades de aprender da maneira que é melhor para eles.

Além disso, pelo fato dos alunos só terem aulas da manhã ou de tarde, a equipe de gerenciamento do Colégio Soter queria tirar o máximo proveito do tempo fora da escola. Eles sabiam que o aprendizado não precisa parar quando os alunos deixam o prédio, então eles começaram a usar um modelo de Sala de Aula Invertida. Este modelo de ensino híbrido oferece aos alunos múltiplas maneiras de aprender o material em casa e leva-os a ter mais tempo de prática e ajuda individualizada de seu professor enquanto na sala de aula.

colegio_soter_blended_learning1

Crédito: Colégio Soter

O ensino híbrido pode facilitar a aprendizagem mais personalizada

Colégio Dante Alighieri, uma escola particular no bairro Cerqueira Cesar de São Paulo, orgulha-se da excelência acadêmica. Tem uma abundância de recursos, como computadores novos e móveis flexíveis em suas salas de aula. Mais importante ainda, no entanto, tem um dedicado corpo docente e administradores com uma mentalidade inovadora. O ensino híbrido veio ao Colégio Dante Alighieri em 2014 com a ajuda da coordenadora Verônica Cannatá: ela e seus colegas se inspiraram na crença de que cada aluno aprende de maneira diferente; eles queriam dar aos alunos múltiplas modalidades de aprendizagem, bem como um lugar onde eles poderiam realmente aprimorar suas habilidades, um a um com seu professor se eles precisassem. Essas idéias foram o ponto de partida crucial para um sistema de aprendizagem personalizado, apoiado pela ensino híbrido.

Os alunos do Colégio Dante Alighieri experimentam com vários modelos diferentes de ensino híbrido, incluindo Rotação Individual, Sala de Aula Invertida, e Laboratório Rotacional. Todos esses modelos oferecem aos estudantes uma variedade de maneiras de aprender material do curso, como assistir vídeos e ler textos preparados pelo professor, e completar atividades e exercícios on-line para demonstrar compreensão. Se isso não bastasse, os professores dão ajuda personalizada aos alunos em suas rotações: o professor primário trabalha um a um com os alunos que precisam de mais ajuda, enquanto o professor de tecnologia supervisiona uma segunda sala de aula de alunos passando por listas de reprodução individualizadas, ajudando onde necessário. Os dados de todas as atividades são coletados no LMS Moodle, e posteriormente são analisados para informar futuros grupos e projetos de estudantes. O uso de ensino híbrido no Colégio Dante Alighieri realmente facilita a instrução personalizada para os seus alunos.

Crédito: Colégio Dante Alighieri

Crédito: Colégio Dante Alighieri

O ensino híbrido pode melhorar os resultados acadêmicos dos alunos

Eric Rodrigues ensina história em uma pequena escola pública nos arredores do Rio de Janeiro, Escola Municipal Emílio Carlos. Antes de usar o ensino híbrido, mais de 30% dos alunos do ensino fundamental II do Sr. Rodrigues (6º – 9º ano) não eram proficientes na sua classe. Ele sabia que todos os alunos tinham o potencial de ser proficientes, então ele começou a examinar seus próprios ensinamentos, procurando pistas sobre como ele poderia ajudar seus alunos a melhorar. Logo depois, ele percebeu que, se ele deixasse de ser o “sábio no palco” e se tornasse mais em um facilitador, seus alunos poderiam ter uma experiência mais rica que incluísse várias modalidades de aprendizagem e um currículo baseado em competências.

Desde que ele começou a usar um modelo de Rotação Individual em 2013, o Sr. Rodrigues viu melhoria significativa na realização de seus alunos. Ao final do primeiro ano, usando ensino híbrido, 88% dos alunos eram proficientes; e em 2016, nenhum deles precisava de remediação. Isso não é somente apenas um testamento ao modelo inovador do Sr. Rodrigues, mas também a sua dedicação aos seus alunos: nos últimos três anos ele criou e curou todas as “árvores” de conteúdo e competência para o seu cursos de história. Todo o trabalho que ele faz para suas lições de planejamento reflete muito no sucesso de seus alunos.

Crédito: André Luiz Mello, Porvir

Crédito: André Luiz Mello, Porvir

Como nos EUA, cada escola brasileira tem motivos diferentes para implementar o ensino híbrido. Na verdade, todos começaram com um objetivo que os levou a seus próprios programas de ensino híbrido. Mas não importa o problema que eles estivessem tentando a resolver, todas as escolas híbridas que eu visitei estavam fazendo um ótimo trabalho de atender às necessidades de seus alunos. Estou ansiosa para ver a progressão do ensino híbrido no Brasil e espero que esses programas transformem a aprendizagem dos alunos em todo o país.

Quer aprender mais sobre as escolas de ensino híbrido que visitamos no Blended Beyond Borders? Veja os seus perfis no nosso diretório BLU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.